quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Desmame noturno - Parte III: desmame noturno em cama compartilhada - Enfim modus operandi!

 Oieeee! Feliz Ano Novo, minha gente!

Será que entrar ano novo com post véio dá má sorte? Porque esse post está se arrastando há meses e nada de finalizá-lo. Então, para fechar as pendências de 2013, resolvi soltar o bicho de vez!





Para você que está chegando agora, clique AQUI para ler nossas considerações sobre o desmame noturno Parte I e AQUI para ler a Parte II 

Demorei para fazer esse post, fato. Desmamei na madrugada no dia 27 de outubro de 2013 e já estamos no dia 01 de janeiro de 2014! Sei lá se foi o excesso de afazeres (festinha em casa toma tempo!), confraternizações e festividades de fim de ano, preguiça, resistência, medo do "zóio" gordo kkkkkkkkk, vai saber. 

Para iniciar nosso processo de desmame gradual optei por não ler nenhuma técnica específica (leia-se Dr. Gordon, Tracy,... blá, blá). Sim, juro. Já ouvi falar, já li um ou outro relato de desmame utilizando métodos específicos, mistura de métodos, mas não fui atrás de conhecê-los a fundo, pois sentia que esse deveria ser um momento só nosso, me sentia segura para isso (depois de um tempo de chororô e luto) e não queria influências externas. Se falhássemos certamente recorreria a uma das técnicas. Por hora, criaríamos nosso próprio método (abusaaaada!)

Quem acompanha o blog sabe que a fofinha dorme no quartinho dela desde os 6 meses de vida, mas sempre indo para minha cama na madrugada para mamar (e por lá ficava). No início de outubro, saímos do apartamento e mudamos para uma casa, mas ela continuou se comportando como de costume, dormia no quarto dela, acordava na madrugada e ia para minha cama mamar. E assim foi por duas semanas, quando numa certa noite, em uma das minhas famosas e surpreendentes rondas noturnas, encontrei uma baby baratinha na parede atrás da caminha dela! Óoooooooooooo, imaginem a reação da histérica aqui minha gentem! Isto posto, bebéia só retornaria ao quarto próprio após dedetização mega blaster! (não preciso nem contar que a dedetização aconteceu, mas ela continua na minha cama até hoje, certo?) Decidida por desmamar a noite, tive que encarar o processo em cama compartilhada, o que teoricamente aumenta o grau de dificuldade do processo. 

DESMAMANDO A BEZERRINHA - regras:

-  Como o objetivo era o desmame NOTURNO e não integral, estabeleci um período de tempo no qual ela não mamaria caso solicitasse, que foi das 23h às 6h30 (horário que acordo todos os dias). 
- Como nas tentativas anteriores o papai se mostrou pouco resistente aos apelos da fofinha, resolvi acolher eu mesma as possíveis reclamações, ou seja, bebéia acordou querendo mamar, mamãe socorre.
- Não teríamos outras regras, apenas ofereceria muito aconchego e carinho, se precisasse recorreria ao papai... e ao papai do céu, anjos e santos! Todos juntos pela causa, reza um Pai Nosso e se joga no desmame...

DESMAMANDO A BEZERRINHA - o ato:

Como disse, a noite escolhida foi a do dia 27 de outubro. Durante a tarde, enquanto mamava, aproveitei para conversar com ela sobre nossa nova rotina, que ela não mais mamaria durante a noite, apenas quando acordasse de manhã. Dentre outras coisas, expliquei que mamãe a amava muito, mas estava cansada, e que o mamá precisava descansar também, para ter muito leitinho de manhã. Evidente que ela fez aquela cara de nojinho,  de quem não está entendo nada, mas soltou o mamilo e disse: "não", e bateu seguidamente sobre o meu peito com as mãos abertas. Passado um tempo, parou de mamar, me abraçou e disse: "dicupa" (Oi???Se ela compreende o que disse jamais saberemos...)

Chegada a noite, resgatei a conversa antes do mamá para dormir. Me sentia segura, mas ela obviamente fez uma baby cara de alface, olhando para os lados, prestando atenção em todas as outras coisas, menos em mim e no meu lindo discurso de desmame. Mamou e dormiu por volta das 20h30/21h00 como de costume. Seguiu direto até as 2h, quando acordou e já veio se aconchegando pedindo mamá. E agora? Relembrei o que havíamos combinado carinhosamente e frisei que a mamãe estaria com ela até que dormisse novamente. Ela não chorou, apenas fez um tom de reclamação meio preguiçoso (mamáaaaa, mamáaaaaa). Ofereci água e ela recusou o copo, ofereci a chupeta (sim, a miserável da chupeta, carma na minha vida, será que já contei aqui?), então a reclamação aumentou de volume. Quando ela abriu a boca para verbalizar o "máaaa", em um gesto ninja enfiei o canudo do copo na boca dela. Ela sugou a água até se fartar. Quando soltou aproveitei para colocar a chupeta na boca dela. Então comecei a cantar, imediatamente ela se deitou e voltou a dormir. Só despertou novamente as 6h30, quando permiti que mamasse (após ela pedir, resolvi que não ofereceria mais)

E assim foram as 6 noites seguintes, exatamente como na primeira noite, alguma reclamação (sem uma lágrima!), água, chupeta e cantoria. Na oitava noite ela não acordou mais! Eu, transbordante de euforia, escrevi um post comemorativo! (AQUI) kkkkkkkk.  Dormiu das 20h às 22h, mamou e acordou novamente às 6h30. E seguimos dormindo a noite inteira desde então. E para não dizer que ela não chorou nem um diazinho sequer, na 13ª noite do processo despertou chorando pedindo mamá. Foi um dia exaustivo, com muitos passeios, além de visitas em casa. Acolhi como de costume, mas ela demorou um pouco mais para dormir. Papai deu uma mãozinha nessa noite. De manhã ela não pediu o peito, acordou toda carinhosa (o que é bem frequente), sorrindo, fazia carinho no meu rosto e olhava para o peito, sorria e me beijava no rosto. Então começou a cheirar o peito sobre a roupa (achei que ela pediria oralmente), deu um beijinho e foi brincar. Não ofereci, ela "não pediu". Fiquei com dó, senti que a estava privando... chorei depois que ela saiu (o que essas coisinhas sedutoras não fazem conosco?)...achei que desmamaria integralmente, o que não era o objetivo, mas sabia do risco de acontecer por conta do desmame noturno. Entretanto, passada meia hora, lá veio ela solicitar seu café da manhã... :)

Hoje, costuma dormir entre 20h30/21h e segue direto até as 6h30, com raras exceções. Às vezes acorda para tomar água. Às vezes pede mamá. Dependendo dos acontecimentos diurnos, estado de saúde, clima e temperatura, acorda na madrugada e dá um pouco de trabalho para voltar a dormir. Sem contar que algumas vezes desperta e quer brincar, o que deixa meu humor tenebroso.

Agora que completou dois anos de idade vislumbro o desmame integral (e a retirada da chupeta!), estou matutando como será o esquema de redução gradual durante o dia...então aguardemos as cenas dos próximos capítulos!                                                                                                                                                                      
UPDATE: hoje, 02/01/14, fiz algumas correções e complementações no texto, isso que dá escrever dormindo...                                                                                             

Nenhum comentário:

Postar um comentário