sexta-feira, 5 de julho de 2013

GBSSM*: O que você precisa saber sobre visitar um bebê recém-nascido.


Mais uma vez tomei chá de sumiço e fui cobrada, adoroooooo! Mas, por trás do sumiço sempre tem uma vida loca que tento administrar com muito carinho (quem não?). Sem contar que, às vezes, dá  a maior  preguiça de escrever, então para vir e fazer de qualquer jeito prefiro deixar para depois. 

O post estava pronto, faltava revisar (eu, eu mesma e Marcela). Aí vem um blog chique e famoso e publica um texto com o mesmo tema: morri! Então eu vejo pelo lado bom: estou sintonizada com a blogosfera hehehe. Tomei coragem e apertei o botão publicar...

Imagem: guiadobebe.uol.br

Se a ideia do blog é falar de coisas importantes da maternagem, a tão polêmica visita ao recém nascido não poderia ficar de fora, certo? Considerando que somos um espaço recheado de experiências maternas,  e ainda, que se ficássemos restritos às minhas impressões apenas, tudo por aqui seria muito chato, dias atrás, lancei uma perguntinha prazamigas do facebook: o que vocês acham que não se deve fazer (de jeito nenhum) quando visitamos um recém nascido? 

As respostas foram das mais variadas, algumas até bem engraçadas, desde o "não visitar" (radical hahaha), até uma orientação mais diretiva de como se comportar durante a visita! A-D-O-R-E-I! Confiram o resultado...


Guia "Mãe na Roda" de visitas Neonatais


1. Visita é para os íntimos. Sim, sim e mais sim! Se não for aquela amiga "unha e carne" da família, não visite! O nascimento de um filhote é um momento de muita intimidade e tranquilidade para que as adaptações necessárias aconteçam. O entra e sai de pessoas, seja no hospital ou em casa, não é muito favorável a essa nova realidade.

2. Beijar o bebê. Realmente as beijocas não são bem-vindas pelas mamães. Aqui incluímos beijar as mãozinhas e até os pezinhos dos bebéios. Afinal, as mãozinhas costumas ir para a boquinha com frequência e esses fofinhos nascem com pouca resistência imunológica.

3. Pegar o bebê. Sinceramente, a grande maioria das mães não gosta que peguem o bebê no colo. Fato! Então, evite pegá-lo! Certamente se você pedir para pegar ela não vai negar, mas não ficará confortável. Não resiste e quer amassar o neném? Segure a piriquita e espere 2 ou 3 meses antes de visitar, a mamãe estará cansada mais tranquila e te entregará o bebê de bandeja permitirá todo colinho do mundo! 

4. Pegar o bebê sem higienizar as mãos. Você é íntimo, íntimo mesmo ou é da família. Então tem um cartão bônus para pegar o bebê no colo por alguns segundos (hehehe). Sendo assim, lave as mãos! Please, lave as mãos! Não espere que a mamãe ou papai peça isso, tome a iniciativa e cairá nas graças da mamita. Se pedir um álcool gel então, entrará na lista de orações da família! Tá aí uma sugestão de lembrancinha:  frasquinhos de álcool gel! Quer jeitinho mais delicadinho de pedir para os visitantes higienizarem as mãos?

5.Visitar sem avisar. Nunca, jamais, em tempo algum, apareça sem avisar! Visita Kinder Ovo (com surpresa) nessa hora não rola. Lembre-se: trate-se de um momento de adaptações, tanto para mamãe e papai quanto para o bebê. É importante preservarmos a tranquilidade e privacidade da família. Você corre o risco de pegar uma mamãe descabelada descomposta, de peito de fora pijamas, fingindo dormindo... Ligue antes, dê tempo para que ela escolha o melhor horário e se prepare para receber. Aproveite para peguntar se é preferível visita no hospital ou em casa. Há quem prefira ser visitado no hospital (Eu, em caso de parto hospitalar!). Se a visita ocorrer na casa, espere de 15 a 30 dias para realizá-la (teve mamãe sugerindo 3 meses no face!)

6. Visitar doente. Essa é o óoooooo da falta de noção, né minha gente! Preciso comentar? 

7. FALAR ALTO. Essa também é pra acabar... quer que eu desenhe? Ah, e nada de perfume também!

8. Acordar o bebê. Sim, por mais absurdo que pareça muita gente ainda tenta acordar o bebê, ainda que disfarçadamente (e aqui o falar alto pode ser um recurso), só para conferir a cor dos olhinhos (que geralmente preservam o padrão cinza-cor-de-nada).

9. Dar palestra (Ri alto quando apareceu essa no face). Algumas mamães mais experientes adoooooram dar mil e uma dicas sobre os cuidados com o nenê, amamentação, criação e por aí vai... Então, mesmo que já tenha passado pela experiência, limite-se a palpitar apenas se for questionada (eu preciso exercitar esse item, confesso! hahaha), respeite o tempo e as escolhas da mamãe. Jamé comente que achou o bebê magrinho, amarelinho, com cara de fome, entre outros. Pelamordedeusmariajosé não questione a amamentação exclusiva e não sugira mamadeira ou chupeta!

10. Visita demorada. No hospital ou em casa, seja breve! A puérpera precisa descansar para estar disposta para atender a rotina louca e exaustiva de mamar, arrotar, trocar fralda e ninar as demandas do pitchutchuco. Limite-se a cumprimentar a família, entregar o presentinho, tirar a fotinho e despedir-se. Os detalhes sobre a intensidade das contrações podem ser relatados posteriormente. Sem contar que "fazer sala" é um tanto custoso para a mamãe, que se preocupará em servir algo e nem sempre poderá fazê-lo por falta de retaguarda. Não espere pelo café da tarde (mas se fizer questão, faça um bolinho e leve o café da tarde)

11. Respeite o momento da amamentação. Acredite: amamentar nem sempre é fácil como na novela. Principalmente porque nossos bebês sofrem os impactos da enxurrada de cesáreas, não mamam na primeira hora de vida e têm seus reflexos de sucção prejudicados. Tanto o bebê quanto a mamãe estão passando por um momento de aprendizagem e precisam de tranquilidade. Sem contar que, algumas mãezinhas não se sentem à vontade pela exposição da mama. (não é meu caso, paguei e ainda pago peitinho geral! hahaha. No que diz respeito ao mamá da bebéia, os incomodados que se retirem)

12. Levar crianças. Não é o mais adequado, mas se não tiver outro jeito, converse com a criança antes e monitore suas ações. Explique que os olhinhos do neném não são botões (hahaha, apareceu no face!). Nada de colocar o bebezim no colo da criança, a menos que a iniciativa seja da mãe do bebê. Eu mesma adorei que meus sobrinhos pegassem sua primeira priminha no colo! Deixei namorarem bastante e tiramos muitas fotos. É muito bom ver nossa cria ser acariciada e amada também pelos que amamos.

13. Seja útil. Que agradar e fazer a visita valer a pena? Seja útil! Organize algo, lave uma louça ou mesmo cozinhe! (aqui estamos supondo que você é íntimo da family, benhê! Porque se não for íntimo para isso não deverá visitar hehehe

É isso! Espero que esse post seja útil e ajude as novas ou as mamanhes reincidentes! 

A você visitante: esse manual foi feito para você, então não desconsidere os itens listados, mesmo que a mamãe pareça não se incomodar, já que geralmente se comporta de forma receptiva e gentil.

A você mamãe: a visita é um ato de carinho, uma forma de desejar boas vindas ao seu maior tesouro. Então tente relevar um ou outro excesso por parte de quem visita. Faz parte do ritual...rs.

E mais, obrigada a todas as mãezinhas e simpatizantes que colaboraram com nossa pesquisa! 

Conto com vocês na próxima! Até lá...

UPDATE: Tudo, tudinho, também se aplica ao parto domiciliar!

14 comentários:

  1. Muito legal Marcela. Muuuuita gente precisa ler isso, pois as mamães sofrem com visitas inadequadas nesse momento! Vou compartilhar. Parabéns pelo Blog! Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Viviane. Espero que esteja sempre visitando o blog! um beijo grande! :)

      Excluir
  2. Tive alguns problemas com visita demorada numa noite que não estava bem, foi terrível! Imagine só a visita trazendo um bolinho, que sonho?!?!

    Beijos, Marcela, amo seus posts!

    Talita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha... um bolinho, uma tortinha de frango...hummmm! Seria tudo de bom, né? Mas acho que na sua casa a visita deve já deve ir matutando o que você irá servir, Talita! hahahaha
      Obrigada pelo carinho!
      beijossss

      Excluir
  3. Ótimo assunto Marcela!
    Eu ainda faço parte da ala dos visitantes e sempre li a respeito. Mesmo sendo íntima, como nascimento dos sobrinhos (do marido) eu sempre espero uns 10 dias pra ir. Criança só pego no colo quando já está durinha, morro de medo de acontecer alguma coisa.
    Eu como sempre tenho rinite, nunca dá pra saber se é ela chegando ou uma gripe, então melhor prevenir!

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Van Van! Eu também sempre me preocupo quando visito alguma amiga recém "parida", mas o que pega no meu caso é a tal da palestra, adoroooo dar um palpite! Mas já estou exercitando a língua dentro da boca! hehehe
      beijãooooo

      Excluir
  4. Adorei!!!
    Principalmente a parte da palestra.. hauiahauishaui
    As maes mais experientes tem mania de tratar as de primeira viagem como Retardas, como se não soubessem de NADA.. Affff... épácabá... hehehe
    Mad acho importantes sim as visitas. Afinal de contas, ficamos doidas pra exibir nosssad crias... hehehe
    Muito boas ad dicas!!!!
    Bjuuuu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainnnnn, Lê, sabe que comentei depois que postei o texto que faltou evidenciar essa questão de exibir a cria...realmente nada seríamos sem as visitas! Eu senti muita falta de alguns amigos no hospital quando a Maju nasceu, me senti abandonada :(. Fiquei bem sensível, querendo um carinho, um denguinho... e claro, querendo mostrar a coisinha mais linda que já tinha feito na vida!!!!
      bjãoooooo

      Excluir
  5. Excelente Post!
    Esses são cuidados extremamente importantes, afinal todos que pretendem visitar um recém-nascido precisam tomar as devidas precauções para evitar contágios e contaminações. Uma boa opção é não visita-lo, até que o período crítico de sensibilidade da criança tenha passado, ponto esse que poucas vezes é pensado como solução.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita e pela contribuição, Silvia! :)

      Excluir
  6. Meio óbvio, mas faltou o "fumar e ir visitar o nenem fedendo a cigarro. Ou mesmo FUMAR no local onde o nenem está..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu diria "nem tão óbvio assim", afinal, a grande maioria das pessoas continua repetindo esses comportamentos! Realmente essa do cigarro é o óoooooooooooooooooooo da falta de educação e empatia! Pior de tudo é passar por mãe fresca e chata, por pedir que não fumem perto do seu bebê! Obrigada pela contribuição e volte sempre! :)

      Excluir